Conhecendo melhor nossa "Santa & Bela Catarina" – a 2ª viagem... 2 de 9: Engolindo poeira
Escrito por: Rodrigo Martins em 02/06/2010

Todos dormiram muito bem e ninguém reclamou - nem mesmo o Roberto. Mas eu ouvi grandes ursos roncando soturnamente que fizeram o assoalho do hotel vibrar na calada da noite e como não era lua cheia, não havia motivos para maiores preocupações. Acordamos cedo e depois de um reforçado café da manhã, todos exibiam um sorriso de satisfação, pois o segundo dia estava prestes a começar...

DIA 2 - DE LAURO MÜLLER À CRICIÚMA PASSANDO POR TREVISO, SIDERÓPOLIS E NOVA VENEZA...

Estava quente e nossa futura arrependida língua reclamou novamente do sol. Saímos sem muita pressa, pois o trajeto parecia tranquilo e não havia expectativa de grandes subidas pela frente.

Lauro Müller parece ser uma cidadezinha bacana. Possui 15 mil habitantes e aparentemente não muita coisa para se fazer. Ainda assim, encontramos uma mercearia aberta num domingo de manhã e no horário da missa. Quais a possibilidades? Enchemos as garrafinhas de água e disparamos.

Robertinho empolgado ditou o ritmo no início. Plano, asfalto bom e poucos carros passando... perfeito para começar bem o dia.

Mas não demorou muito e o velho e bom chão batido apareceu.

E, deu-se início então, a uma verdadeira lamúria. Não sei o que é pior, pedalar nesse pedrisco todo ou ouvir o Roberto choramingar o tempo inteiro.

Aparentemente estão construindo alguma via expressa interestelar ligando nada a não sei aonde. Tanto que encontramos um legítimo Deceptcon...

Tirando os trechos em obra, essa estrada que liga Lauro Müller a Treviso é muito boa para se pedalar. Atenção apenas ao excesso de pedregulhos soltos em alguns pontos. Imagino que uma queda por ali, não seria algo muito confortável.

A essas alturas, a fome já havia batido e aceleramos um pouco na esperança de ainda encontrar alguma coisa aberta na próxima cidade, em Treviso.

Já cansados de tanta pedra, poeira e reclamações – foi um verdadeiro alívio esse reencontro com o asfalto. Ainda mais por que sabíamos da proximidade de alguma coisa para comer. Pelo menos essa era a esperança dos quatro aventureiros.

Felizmente encontramos uma boa birosca aberta. Nosso primeiro almoço da pedalada foi: 3 X-Egg e um X–Salada com ovo (?). E para beber, algo que alegrou a tarde das crianças: Pepsi média em garrafa de vidro. Um raro tesouro para essas pobres almas desidratadas que engoliram poeira durante toda manhã.

Com a barriga cheia e o lombo descansado, seguimos nosso destino sol a pino.

De Treviso, seguimos por mais 12 km até Siderópolis.

Criciúma era logo em seguida, mas tal qual o Leão da montanha – “saímos pela direita” e esticamos por uma simpática estradinha de chão para podermos conhecer também Nova Veneza.

Aqui começou a constante disputa entre “Roberto Vs. GPS” que de início foi engraçado (mas somente no início). Em algum lugar perto da única rua que daria em Nova Veneza, paramos para mendigar água numa casa qualquer. Inesperadamente veio uma moça tão bonita, tão linda, tão encantadora, tão exuberante, de um olhar tão hipnotizante que para resumir, mesmo com GPS – erramos o caminho. Entopercidos, sacudimos a cabeça, limpamos a mente e seguimos viagem.

O primeiro de tantos pneus furados nessa viagem...

Passamos brevemente por Nova Veneza e Nossa Senhora do Caravagio e no início da noite chegamos em Criciúma. O hotel era bem melhor que o de Lauro Müller e tinha até ar-condicionado. O combinado sempre foi duas pessoas em cada quarto. De repente, o Rei Roberto (o Kist, não o Carlos...) sai com essa para o rapaz que estava nos atendendo: - Eu vou ficar num quarto sozinho. Pago a diferença. Sabe como é, né? Gosto de ficar mais a vontade, de dormir pelado... Até poderia tentar explicar isso, mas só iria piorar. Baixamos a cabeça e saímos de fininho, suficientemente envergonhados (para o resto de nossas vidas!)... Um rápido banho e saímos para jantar. Não demos sorte e encaramos o pior rodízio de pizza da história, e olha que já comemos porcaria nessa estrada - mas ao menos matou a fome. Uma leve caminhada para relaxar, hotel, cama, TV e antes de sequer perceber, já estávamos dormindo...

Segunda etapa cumprida de forma sossegada.

Comentários
Sex, 04 de junho de 2010
Por: Waldson (Antigão)
Que bacana! Olhar as bikes por trás, carregadas com os alforjes me faz lembrar abelhas Arapuá, com as pernas carregadas de nectar indo em direção á colméia.

Está ótimo o relato do passeio. Até parece que estou aí com vocês, pedalando com a minha "abelhinha".

Grande abraço.
Sáb, 05 de junho de 2010
Por: Lucas (Lucão) Criciúma
Só faltou a foto da moça né pô!!!!
Qui, 17 de junho de 2010
Por: Gi
...site muito massa mesmo...fotos lindas...e os relatos são maravilhosos e tem umas tiradas ótimas..
Parabéns equipe...e que venham mais e mais pedaladas para continuarmos acompanhanhando vcs.
Abraços.

Qua, 23 de junho de 2010
Por: Glaucio
Sou de Criciúma e achei Sensacional! Pô, mas não foram na pizzaria certa aqui... por acaso passaram numa segunda-feira por aqui em direção a Turvo? até acho que falei com vocês no final da avenida principal...
Sex, 25 de junho de 2010
Por: Douglas
Nem a pau que eu teria coragem de passar de bicicleta numa ponte daquelas!!!
Qui, 15 de julho de 2010
Por: Luís Carlos
"Sabe como é né, gosto de ficar a vontade, dormir pelado"....kkkkk...figuraça....!!! ;-)
Sex, 01 de abril de 2011
Por: Cíntia
Pronto! Já decidi oque vou fazer nas minhas férias proximo ano! Pegar a bike e viajar! Falta só a companhia!
Cíntia, Fortaleza - Ce