"Pagarando" outra vez!
Escrito por: Rodrigo Martins em 02/04/2015

Se sentindo bem e ansioso por finalmente poder esticar as canelas após um longo período ausente de nossos tradicionais pedais dominicais, – Fernando muito educadamente nos pediu três coisas: que não fosse muito cedo, que não fosse muito longe de casa e, principalmente, num friso quase emocionado... que não houvesse muitas subidas! Bons amigos que somos, prontamente concordamos (ou quase isso) e felizes ficamos com o retorno nada Jedi de nosso estimado ser. Junto com ele, ainda conseguimos arrastar mais dois animados colegas (Marcos e Eduardo) que se juntaram nessa divertida empreitada. Poderíamos de bom grado ceder as concessões exigidas de forma tão otimista pelo desavergonhado colega, mas não conseguimos enxergar graça nenhuma nisso, acreditando ser mais divertido mirar a pedalada no maior morro “pedalável” da sugerida vizinhança.

Fernando sabia que de nada adiantava reclamar e acabou se contentando com o pedal combinado para bem antes do galo cacarejar. Torceu o nariz mais para o rumo com encantos verticais que se deu no seu comedido retorno - onde optamos por uma discreta subidela no divertido Pagará (servindo de consolo apenas o fato do referido morro realmente ficar perto de sua casa). Para os não iniciados, o morrinho do Pagará até assusta, principalmente se você o fizer ainda remelento e cheio de sono. As cinco cabeças iniciaram rodando bem, se considerarmos o indigesto horário e até o nosso roliço comparsa pedalava sorrindo. Não acostumados ao nosso jeito estranho de pedalar, Marcos e Eduardo estranharam um pouco a inicial dinâmica travada de várias paradas consecutivas para tirarmos as famigeradas fotografias que alimentam esta nossa página na internet e franziram a testa (inutilmente) por algumas vezes, embora não demorando muito para se resignar.

O quinteto pedalava animado, rindo aos montes e falando bobagens numa quantidade que beirava o inaceitável. Quietos apenas nos trechos mais longos morro arriba. Fernando bafejava um pouco, mas fora isso, parecia tranquilo. O tempo colaborou um bocado com um sol acanhado dando uma espiada apenas uma vez ou outra. Fizemos esse caminho pela primeira vez em meados de 2009 e há tempos não rabiscávamos uma ideia do TrilhasBR que muito nos inspirou no início de nossas primeiras pedaladas.

Enquanto a longa descida alegrava e relaxava ao mesmo tempo, o mormaço do meio-dia gerava aquele momento pianço, nos obrigando a parar na primeira bodega que encontramos. Milho verde com caldo de cana megagelado foi a coqueluche do momento. Das terras santo-amarense seguimos de volta para Palhoça deixando nosso amigo Fernando praticamente na porta de casa ainda em tempo para o almoço, mais cansado do que gostaria de admitir, embora com um sorriso rejuvenescedor de satisfação no rosto. A bronca pelo desleixo dos últimos meses só veio depois por e-mail, pois ainda tínhamos uma beiradinha para pedalar até os arredores de Aririú onde deixamos o carro descansando. Pedalada divertida e descompromissada que serviu bem para o propósito: dar um tempo do sofá e juntar os matreiros pseudociclistas, tentando incutir o hábito de pedalar novamente aos domingos de manhã, sempre por volta do horário da missa.

Comentários
Dom, 05 de abril de 2015
Por: Jedson Eleuterio
Como sempre o relato é muito divertido.
Dom, 12 de abril de 2015
Por: Waldson - Antigão Cicloturista
Como sói acontecer, um ótimo e divertido relato abrilhantado por belas fotos!

Parabéns pessoal!

Grande abraço do véio!